Chanel relata fato ocorrido na UPA, que confirma má gestão da Saúde Municipal

Chanel relata fato ocorrido na UPA, que confirma má gestão da Saúde Municipal Foto: Assessoria de Imprensa/Câmara
No dia 02 de setembro, Chanel ocupou a tribuna na sessão da Câmara Municipal dizendo que deixaria para depois os temas parlamentares para abordar um assunto humanitário.

Emocionado, relatou o pedido de ajuda de uma família, cuja mãe, internada há dias, na UPA do Hospital Julia Pinto Caldeira precisava ser transferida, com urgência, para receber os cuidados de uma Terapia Intensiva. Segundo parecer médico, a senhora, de 60 anos, corria risco de morte, por insuficiência renal.

O vereador manifestou-se indignado com a demora e as dificuldades da transferência, pois está na Lei: a saúde é direito de todos e dever de Estados e Municípios - e questionou, mais uma vez, o precário atendimento da UPA diante dos recursos aplicados na saúde pela Municipalidade. O vereador lembrou que anteriormente o Hospital possuía uma unidade de terapia semi intensiva que realizava um atendimento de emergência enquanto não se transferisse o paciente. Disse que a Prefeitura desativou o serviço e instalou as salas vermelha e amarela para acolher os doentes mais e menos graves respectivamente, mas que de forma alguma substituiu os cuidados de uma UTI. Novamente, comparou os recursos gastos na Saúde, em Bebedouro, cerca de R$ 1milhão e 280 mil reais para 77 mil habitantes com o que Barretos investe- R$750 mil para uma população de 122 mil habitantes.

Chanel observou que há Direitos e Deveres na Lei, então, em casos semelhantes, segundo orientação jurídica, deve-se procurar a OAB para entrar com uma ação de “ Obrigação de fazer”, para impor ao Município ou Estado o cumprimento de suas obrigações de providenciar o tratamento ao paciente ou de fornecer medicamentos. “Não se quer criar confusão, é que são vidas em risco, o ideal é resolver os problemas rapidamente, quando surgem, resumiu Chanel.

O vereador ainda registrou a situação crítica de espaço do cemitério que já está no limite do Córrego Bebedouro e não se vê a Prefeitura tomar alguma providência.



Observação: A sessão da Câmara foi encerrada cerca de 11h00. Infelizmente, a paciente a que Chanel se referiu, faleceu nessa mesma noite, às 11h45.