Artur Henrique diz que prefeito lutou até o fim para manter os salários dos servidores

 

Por força de decisão judicial as gratificações de nível universitário foram cortadas dos servidores públicos, visto que a graduação já é requisito obrigatório para assumir o cargo. Entretanto, a lei que normatizava as gratificações datava de 1997 e muitos servidores foram atingidos e terão os salários reduzidos já no mês de abril.

O líder do prefeito, vereador Artur Henrique (DEM) disse que algumas pessoas querem jogar no colo do prefeito uma conta que não é dele, já que não foi ele que entrou com a ação, mas sim o sindicato dos servidores instigado por vereadores da oposição em 2014. Henrique lembra que a gratificação era para ser suspensa em 2015, mas que Fernando Galvão recorreu em todas as instâncias para manter a gratificação dos funcionários até chegar o acórdão final.

“Denuncismo em cima de denuncismo. Não sei até quando os promotores vão acolher essas denúncias. Todo dia chove denúncia anônima em cima de coisas vazias”.

O democrata disse que se os vereadores da oposição não tivessem instigado o sindicato, o corte não teria ocorrido. “Querendo atingir o coelho, acertaram um elefante. Arrumaram um tremendo de um problema para os funcionários públicos municipais, para os professores, agora vão perder os seus ganhos por conta de um acordão.