Obra no lago é verba do Turismo e não pode ser aplicada em outra área, explica Chanel

O tema principal da manifestação de Chanel, na sessão plenária da Câmara Municipal, dia 11 de fevereiro, foi registrar e tentar esclarecer informações falsas ou manipuladas que chegam à população sobre a revitalização do lago artificial e questionamentos sobre o investimento, por pessoas que desconhecem os trâmites legais desses procedimentos.

 Ele explicou que por ter origem no Ministério do Turismo, a verba só pode ser usada em ações que fomentem o turismo no município. Sobre o contrato informou que foi assinado com a União, por meio do Ministério do Turismo, firmado com a Caixa Econômica Federal e contou com a intermediação do deputado federal Paulinho da Força, depois do pedido dele Chanel, na época, presidente da Câmara.


As obras abrangem melhorias no Museu de Bebedouro até a Praça Santa Paula Frassinetti, possibilitando consolidar os pontos turísticos de Bebedouro como Lago, Museu e Parque da Família.

De acordo com Chanel, o projeto é amplo e há anos, foi iniciado pelo arquiteto bebedourense, já falecido, João Valente Filho, profissional renomado, reconhecido por ser autor do projeto da Ponte Estaiada na capital paulistana.  O projeto original foi modernizado e prevê iluminação de toda a área externa do Museu Eduardo A. Matarazzo, reforço da iluminação pública da Praça Carlos Gomes (ao lado do museu) e em todo o Parque Centenário, área que vai desde a Praça Santa Paula Frassinetti até o sambódromo, além de rampas para cadeirantes e idosos.

As passarelas que já estão chegando, serão colocadas com todas as normas de segurança, pois prevê a concentração de pessoas em dias de evento. Por meio delas se fará a ligação entre Avenida Sérgio Sessa Stamato à outra margem do lago, concluiu Chanel. Ele diz que o projeto é muito maior, será feito em etapas e que voltará a falar dele no plenário, mas que está à disposição da população, para mais esclarecimentos.

CPI - Sobre a Comissão Parlamentar de Inquérito instalada na sessão, Chanel se manifestou que não é contra qualquer investigação da Câmara, porém, já existe a investigação (e essa ele está acompanhando), por parte do Ministério Público que possui pessoas habilitadas, com eficiência e competência para fazer investigações sobre qualquer episódio do município, muito mais do que a Câmara. E completou, após os 90 dias de apuração desta CPI, hoje instalada, caso haja um fato realmente novo que mereça sindicância, esta Casa de Leis se manifestará.